sexta-feira, 13 de abril de 2012

O Ministério da Esposa do Pastor: Co-Pastora ou Auxiliadora?


Este artigo é um resumo da monografia apresentada ao
Seminário e instituto Batista Bereiano, em 2009.
Ana Talita Brito de Medeiros Farias


1      INTRODUÇÃO


     Pouco se tem escrito sobre a esposa do pastor, será que é porque ela não é importante? Com certeza não é por isso, pois esta mulher tem uma grande importância, uma vez que ela é um só corpo com o pastor. Não sabemos os motivos, mas supomos que a necessidade de publicações nesta área ainda não foi percebida, embora saibamos o quão necessário seja. Muitas indagações têm surgido sobre esta mulher: Ela tem que ser comissionada para o ministério junto com o marido, ou não? E na igreja, ela precisa ter vários dons? Precisa exercer vários cargos? É necessário que ela tenha todas as aptidões, como saber cantar, tocar e ser uma boa dirigente? Afinal, quais devem ser suas prioridades? Foram estas perguntas que me impulsionaram a escolher esse assunto para a minha monografia. O objetivo geral deste trabalho é esclarecer um pouco as indagações a respeito do chamado, dos dons e habilidades e das prioridades da esposa do pastor, para auxiliar tanto a mim, quanto às mulheres que já estão vivendo essa realidade e também às futuras esposas de pastores.


2      O Chamado da Esposa do Pastor


2.1. Tipos de chamado

Este assunto é muito importante para a esposa do pastor, uma vez que ela precisa entender o que é chamado e quais os tipos de chamado que existem para então ela saber aplicar à sua pessoa. MacArthur nos informa que há vários tipos de chamado, e o primeiro deles é o chamado para a salvação. Em 2 Coríntios 13.5, diz que precisamos examinar a nós mesmos, a fim de sabermos se estamos na fé. Uma esposa de pastor, antes de tudo, precisa receber este chamado para a salvação e ser verdadeiramente crente em Cristo Jesus.
Após a salvação, todos os crentes recebem outro chamado, que é o do serviço cristão (Efésios 2.10). Este serviço deve ser executado por meio dos dons que o Espírito Santo concede a cada um. A esposa do pastor, que é crente em Cristo Jesus, recebe também o chamado para o serviço por meio do seu dom, como também a tarefa de levar o evangelho a toda criatura.
Além destes dois chamados, Deus concede a alguns homens, o chamado para a liderança da igreja, ou chamado ministerial (MACARTHUR, 2004). Estes homens são os pastores, que cuidam das ovelhas e as lideram. A liderança da igreja foi concedida somente a homens, portanto a esposa do pastor não pode ter recebido este tipo de chamado, tendo em vista que ela é mulher.
Estes são os tipos de chamado que encontramos na Bíblia, onde o último é concedido ao pastor. Vamos verificar agora duas visões a respeito do trabalho da esposa do pastor.

2.2 CHAMADA para auxiliar o marido

Para iniciarmos esta discussão, precisamos antes entender qual o propósito de Deus ao criar a mulher, pois isto baseará nosso entendimento quanto ao chamado da esposa do pastor. Em Gênesis 2.18, encontramos o relato da razão de Deus criar a mulher. Este texto diz que Deus viu que não era bom que o homem estivesse só, então lhe fez uma auxiliadora idônea.  A mulher desde a sua criação sempre teve um papel muito importante na vida do homem, pois ser uma auxiliadora idônea não é nada fácil. A esposa do pastor é auxiliadora do seu marido, ou seja, ela é responsável para ajudar seu esposo, para que o mesmo desenvolva seu ministério.    A mulher não é chamada para ser pastora, uma vez que a Bíblia proíbe que a mesma ensine em culto público, por isso o trabalho e ofício do episcopado foram reservados para os homens (SPURGEON, [s.d.]). A autora Dusilek nos diz que não existe uma vocação especial para ser esposa de pastor, como acontece com algumas pessoas vocacionadas para exercer uma profissão. Deus chama o marido para ser pastor, mas a sua esposa ele chama para ser ajudante do seu marido, e assim ela estará auxiliando no ministério dele. Ser esposa de pastor não é exercer o ministério com o marido, é cuidar dele como sua esposa.

2.3 CHAMADA PARA AUXILIAR A IGREJA?

Muitas vezes ouvimos pastores falando que ele e a esposa exercem o ministério na igreja, será que esta afirmação está condizente com o que diz as Escrituras? O autor Silva, fala que jamais devemos esquecer que a mulher foi chamada para ser auxiliadora do seu marido e não da igreja, e que o pastorado é do homem. A esposa do pastor precisa ser vista como membro normal da igreja, e não como pastora auxiliar. (SILVA, 1997). Precisamos tomar cuidado para não acabarmos colocando a esposa do pastor como auxiliar do ministério dele, pois se assim o fizermos, não estaremos pensando diferente de autores que aceitam o ministério pastoral feminino. Entretanto, não podemos negar a influência que a esposa do pastor tem no ministério do marido. Apesar dela não ter um chamado especial para exercer o ministério junto com seu esposo, ela precisa ter uma visão voltada para o trabalho do Senhor. A razão é que, embora seja crente como todos os outros, ela precisa ser exemplo para todos os demais membros da igreja. Sua influência é muito forte na igreja, e é por isso que ela deve ter o desejo de ser uma serva na obra de Deus. Mas não é por isso que ela deva ser considerada co-pastora da igreja, uma vez que todo crente em Cristo precisa ser um servo na obra.

3      o papel da Esposa do Pastor


Quando tratamos sobre o papel da esposa do pastor, pensamos logo nas esposas de líderes da Bíblia, como Sara, Rebeca, Raquel, a mulher de José, a mulher de Moisés, a mulher de Pedro, entre outras. Percebemos que estas mulheres tiveram com certeza uma grande importância na vida destes homens de Deus, porém não vemos estas mulheres exercendo a liderança junto com seu esposo. Pelo contrário, vemos suas vidas sendo dedicadas à família. Trazendo esta realidade para a vida da igreja, será que o papel da esposa continua sendo o mesmo? Ou será que agora ela deve liderar juntamente com o seu marido? Como deve ser seu trabalho na igreja, tendo em vista que ela é esposa do pastor? Quanto aos seus dons?

3.1 os dons necessários

A esposa do pastor precisa trabalhar em todas as áreas da igreja? Precisa ocupar todos os cargos que não tenha ninguém para ocupá-los? Quantos dons são necessários para ela? Estas perguntas são muito importantes quando tratamos sobre o papel da esposa do pastor. De acordo com o texto de 1 Coríntios 12.7-11, o Espírito Santo concede os dons individualmente a cada membro do corpo de Cristo, como lhe apraz. A cada um Ele concede determinado dom, sendo assim, a esposa do pastor recebeu seu dom e precisa desempenhá-lo para a edificação da igreja. Ela não recebeu todos os dons, mas com isto não estamos querendo dizer que ela não precise ter a visão para a obra do Senhor. A esposa do pastor recebeu seu dom do Espírito Santo assim como qualquer crente, e precisa desempenhá-lo para a edificação da igreja. Ela não pode ter recebido todos os dons, pois ela é apenas um membro do corpo de Cristo, portanto os outros membros também receberam dons. Ela não deve se preocupar em trabalhar em todas as áreas da igreja porque é a esposa do pastor, pelo contrário deve desenvolver seu dom, como também cada membro em Cristo Jesus.

3.2 seu papel na igreja

Há muitas divergências quanto ao papel da esposa do pastor na igreja. Uns acreditam que ela precisa trabalhar junto com o marido em todas as áreas da igreja, outros dizem que ela não precisa fazer nada, pois não ganha para isto. Iremos analisar o papel desta mulher na igreja e definir algumas diretrizes para este papel. Todo crente em Cristo Jesus precisa entender a necessidade de trabalhar na obra de Deus, dedicando-se àquele que o salvou. A esposa do pastor, como crente em Cristo Jesus, trabalha na obra dEle com amor. A esposa do pastor, portanto, tem trabalho a cumprir na igreja como todos os crentes têm, porém não podemos negar que ela tem uma grande responsabilidade de ser um bom exemplo para os outros irmãos. Sendo assim, esta mulher precisa de grande maturidade emocional e espiritual para assumir as responsabilidades que serão requeridas dela, principalmente em ser um bom exemplo para todos (DUSILEK, 1996). A posição da autora Gomes também é muito boa, pois ela nem diz que a esposa do pastor tem que fazer tudo na igreja, nem que ela não tem obrigação de fazer nada. Ela também concorda que apesar de ter uma grande responsabilidade em ser exemplar, sua função na igreja não é fazer tudo, mas sim desenvolver o dom que lhe foi concedido.
A autora Kirk cita alguns serviços para a mulher cristã: Mordomia, oração, ensino, louvor, aconselhamento, beneficência, hospitalidade e evangelismo. Vemos que são áreas que a esposa do pastor não pode negligenciar, pois se assim o fizer, ela não estará fazendo seu papel como cristã. Ela tem muito trabalho para cumprir na igreja do Senhor, sabendo que outros membros serão influenciados pela sua dedicação ao serviço de Deus.

3.3 SUAS QUALIDADES

Já avaliamos o papel da esposa do pastor na igreja, e vimos que ela deve exercer o seu dom para o desempenho do serviço e edificação da igreja e vimos também várias áreas onde ela pode e deve atuar dentro da igreja. Assim como ela precisa ser exemplo no serviço, também precisa ser em sua vida cristã. Suas virtudes ou qualidades irão incentivar os outros irmãos. Em 1 Timóteo 3.11 diz: “Da mesma sorte, quanto a mulheres, é necessário que sejam elas respeitáveis, não maldizentes, temperantes e fiéis em tudo.” Este versículo está destinado para esposas de diáconos, mas também podemos utilizá-lo para a esposa do pastor.
Tratando sobre o versículo acima, MacArthur nos diz que o padrão para estas mulheres não é inferior ao padrão de seus esposos, pois são utilizadas as mesmas palavras tanto para os diáconos e bispos, quanto para elas. A primeira qualidade é a honestidade ou respeito, que quer dizer que a mulher deve ganhar o respeito dos outros por sua maturidade. A segunda qualidade é referente à sua língua, onde ele diz que ela não deve ser diabolous, ou seja, ela não deve usar sua língua para difamar os outros. A terceira qualidade é a sobriedade, nephalious, que implica em ser equilibrada, moderada e sensata. A quarta qualidade diz respeito à fidelidade, que deve acompanhar todos os seus relacionamentos (MACARTHUR, 2004).
Ainda a respeito deste versículo, encontramos as definições destas qualidades na monografia da autora Farias. Ela diz que a palavra grega para respeitável é semnos, que quer dizer ‘augusto, venerável, honrado, respeitável’. Portanto, ela deve ser uma mulher que pode ser venerada por seu caráter por ter uma vida reta e íntegra diante de Deus e dos homens. Ela não pode ser maldizente, ou seja, não pode usar sua língua para ferir outros, e isso ela só conseguirá se for totalmente controlada pelo Espírito Santo. A temperança diz respeito ao autocontrole, ou seja, ela precisa ter domínio próprio em todas as situações. A última qualidade encontrada neste versículo diz respeito à fidelidade. A palavra grega pistos quer dizer fiel, e uma pessoa fiel é alguém que é digno de confiança. A esposa do pastor precisa ser fiel em tudo, digna de confiança em todas as áreas, pois esta é uma ferramenta essencial para quem está casada com um pastor (FARIAS, 2007).
Gomes também concorda que as qualidades exigidas para as esposas de pastores não são inferiores às exigidas aos pastores. Ela aborda as qualidades exigidas para o pastor, trazendo-as também para as esposas dos mesmos, mostrando que quando casaram tornaram-se uma só carne, portanto ela também precisa revestir-se das mesmas qualidades que ele. A autora utiliza o texto de 1 Timóteo 3. 1-7.
Quanto à irrepreensibilidade, ela diz que não há como o marido ser irrepreensível se sua esposa não for; Marido de uma só mulher mostra a importância que ela tem no ministério dele, como única na sua vida; Vigilante, sóbrio, honesto e hospitaleiro diz respeito à esposa, principalmente na hospitalidade; Apto para ensinar requer estudo, e a esposa é responsável para fornecer um ambiente propício para o seu marido estudar; Não cobiçoso de torpe ganância e não avarento é algo que requer da esposa o contentamento com o que tem; Que governe bem a sua própria casa é algo que o marido precisa da mulher para fazer, ela tem que ser submissa e estar de acordo com a direção do marido; Que tenha bom testemunho dos de fora trata sobre a reputação do pastor. Este último implica em viver seguindo os padrões bíblicos, para que os outros não se escandalizem (GOMES, 1978).
Todas estas qualidades são essenciais para a esposa do pastor, pois ela precisa auxiliá-lo a ser um pastor aprovado. O contentamento é algo que todo cristão precisa ter, e a esposa do pastor que não está contente com seu sustento e com a igreja, pode arruinar o ministério do marido com reclamações. A outra qualidade que queremos destacar é a hospitalidade, requerida em Hebreus 13.2, onde diz que não podemos negligenciá-la. A casa do pastor deve ser um lugar acolhedor, e a sua esposa precisa ser hospitaleira, sabendo acolher os outros com amor, dando do que tem. Percebemos então que ser esposa de pastor requer uma vida com Deus, pois só assim ela conseguirá ser padrão.


4      As Prioridades da Esposa do Pastor


4.1 DEUS

Cremos que a primeira prioridade para todos os crentes deve ser sua vida com Deus. A esposa do pastor, antes de tudo, foi salva por Deus para ter comunhão com Ele. Seu compromisso primordial deve ser com Deus, fazendo o que lhe agrada para a glória Dele. Amar a Deus é essencial para todos os crentes, inclusive para a esposa do líder da igreja. Gomes diz que quando esta mulher prioriza Deus em sua vida, buscando conhecê-lo a cada dia mais através da sua Palavra, ela conseguirá discernir as outras prioridades (GOMES, 1978). Ela diz também que toda mulher cristã, que é filha de Deus, precisa ter sua vida centrada nEle. A esposa do pastor deve ter uma vida centrada em Cristo, buscando sempre agradá-lo em tudo. Entretanto, um problema que surge a este respeito é quando a igreja pensa que ela precisa fazer tudo na igreja para demonstrar seu compromisso com Deus. Vemos que esta não é a forma correta de demonstrar isto, e a autora Dusilek trata muito bem deste assunto, mostrando o que é compromisso com Deus e a diferença entre isto e ativismo. Ela diz que ter compromisso com Deus não é ter a agenda sempre cheia de atividades da igreja, que a levam a um verdadeiro esgotamento físico e mental. A esposa do pastor precisa ter uma vida íntima com Deus, procurando entender qual a vontade dEle para a sua vida. Antes de tudo, porém, ela sabe que seu papel como esposa e mãe é a tarefa primordial que Deus lhe concedeu, e não deve negligenciar isto. Ela deve buscar a cada dia crescer espiritualmente em comunhão com o seu Criador. Dusilek ainda nos diz que a esposa do pastor só conseguirá enfrentar as pressões ministeriais se tiver uma estrutura espiritual arraigada na graça de Deus. Ela precisa preocupar-se sempre com sua vida espiritual e sua intimidade com Deus por meio da oração.

4.2 MARIDO

Já mencionamos a importância que a mulher tem como auxiliadora do seu marido, e agora, queremos mostrar a necessidade que a esposa do pastor tem de priorizar sua vida matrimonial. Quando ela tiver que decidir entre algo que tem para fazer, mesmo que seja na obra do Senhor, mas isto irá atrapalhar o seu relacionamento conjugal, ela precisa escolher o seu relacionamento conjugal. Foi para isto que ela foi criada, para auxiliar seu marido e ser sua companheira. A mulher, como companheira do homem, deve procurar sempre cuidar do seu marido e ser totalmente dedicada às necessidades dele. Peace diz que dar-se ao marido é o dever da mulher, e ela deve fazer mais que isto, pois Lucas 17.10 diz que somos servos inúteis quando fazemos só o que nos é mandado. Por isto, ela não deve apenas cumprir o seu dever, mas precisa ser bondosa, acessível, transparente e honesta com ele (PEACE, 2008).
No casamento, a mulher jurou amar, respeitar e obedecer ao marido até que a morte os separasse. Em vista deste juramento, o marido sempre vem em primeiro lugar nos relacionamentos terrenos, e este comprometimento deve ser por toda a vida. Um dos grandes erros que a esposa do pastor pode cometer nesta área, bem como qualquer irmã, é priorizar mais seus filhos que seu marido. Estas mulheres precisam entender que para criar os filhos da maneira correta, é necessário um ambiente familiar onde reine a harmonia conjugal (GOMES, 1978).
A relação do pastor com a sua esposa é vista por todos, e por isto, precisa servir de exemplo. Muitos membros da igreja e até pessoas de fora precisam encontrar no relacionamento matrimonial do pastor um grande exemplo a ser seguido, pois eles precisam disto. A mulher precisa ajudar bastante para que seu casamento sempre ande em harmonia e bom testemunho. Dusilek nos diz que a esposa do pastor precisa sempre procurar cuidar do seu marido, pois o mesmo está constantemente à frente das coisas e precisa estar bem apresentado. Isto não se refere a dinheiro, pois o descaso com a aparência não é um problema financeiro, mas pessoal (DUSILEK, 1996).
Outra coisa muito importante é a vida íntima do casal, que jamais deve ser negligenciada. Nesta parte, mais uma vez a mulher exerce uma grande parcela de responsabilidade. Ela precisa reconhecer a necessidade que seu marido tem de uma vida íntima, e as pressões que ele enfrenta trabalhando diariamente com outras irmãs. Ele precisa do apoio da sua mulher e do seu carinho. Peace nos diz que devido os desejos sexuais do homem tenderem a ser mais intensos que o da mulher, ela não pode negligenciar esta área (PEACE, 2008). O pastor enfrenta muitas tentações ao trabalhar com mulheres, por isto suas necessidades sexuais precisam ser satisfeitas em casa.
Dusilek também diz que a esposa do pastor deve evitar ter ciúmes de seu marido, principalmente quando este ciúme for descontrolado, pois assim fazendo estará prejudicando o ministério do marido. Outra coisa muito importante que a esposa do pastor sempre precisa fazer é buscar estimular o seu marido por meio de elogios. Todo homem precisa ouvir elogios, e o pastor precisa que sua esposa o admire e diga sempre palavras que possam animá-lo na caminhada (DUSILEK, 1996).
A esposa cristã precisa procurar ser como a mulher virtuosa, que o coração do seu marido confiava plenamente nela (Provérbios 31.11). Champlin nos informa que a confiança do marido na sua mulher queria dizer que ela era fiel a ele sexualmente; Cumpria todos os seus deveres de esposa; suas ações demonstravam seu nobre caráter; era capaz de gerenciar a sua casa, e; sabia administrar as finanças sabiamente (CHAMPLIN, v. 4, 2001). A esposa do pastor então é alguém que entende suas obrigações de esposa, e procura fazer mais que isto. Ela é um verdadeiro refúgio para o pastor, que também precisa ser bem acolhido em casa.

4.3 FILHOS

Os filhos da esposa do pastor, bem como de qualquer mãe são muito importantes, pois eles são herança do Senhor para ela (Salmo 127.3), porém eles não devem vir antes do marido e nem depois de qualquer outra coisa. Também, dizer que eles vêm depois do marido não é que a mãe deva passar menos tempo com os filhos e mais com o marido. Pelo contrário, sabemos que a mãe sempre passa mais tempo com os filhos, pois o marido geralmente fica maior parte do dia fora de casa. Com o pastor não é diferente, pelo contrário, ele tem muito trabalho fora de casa e por isto a esposa sempre passa mais tempo com os filhos.
Kirk trata o papel de mãe como um ministério que é exercido vinte e quatro horas por dia, e requer o melhor que uma mulher possa oferecer (KIRK, 1981). Quando a mulher torna-se mãe, passa a ter que dispensar muito tempo no cuidado e educação dos filhos. Kirk também nos diz que a educação dos filhos é concedida a ambos os pais, porém a mulher deve exercer seu papel de ajudadora, esforçando-se para educar os filhos da melhor forma. Devido o marido passar muito tempo fora de casa, a mulher precisa preocupar-se com a educação cristã de seus filhos, ensinando a eles o temor do senhor. Os pais também devem preocupar-se em disciplinar seus filhos de maneira correta e ser um exemplo de vida digno a ser seguido pelos filhos (KIRK, 1981).
Os filhos do pastor recebem uma grande pressão para sempre serem perfeitos, e por isso muitas vezes acabam não suportando. Precisa ser entendido que por serem filhos do pastor não quer dizer que sejam sempre perfeitos, mas também não podem dar mau testemunho, uma vez que o pastor se tornará irrepreensível se isto ocorrer. Dusilek fala que é um grande privilégio para a esposa do pastor, cuidar dele e de seus filhos. Ela diz que a esposa de pastor que se preocupa tanto com os cargos que tem que exercer na igreja e esquece-se de cuidar de seus próprios filhos, não fez nada. (DUSILEK, 1996

4.4 Dona de casa

A palavra grega para dona de casa é: oikourgos, que quer dizer alguém que guarda a habitação ou cuida do lar (PEACE, 2008). Deus sempre quis que a mulher exercesse seu ministério como dona de casa. Tito 2.5 diz que não simplesmente uma pessoa que cuida da casa por cuidar, mas uma boa dona de casa. Quanto à mulher virtuosa de Provérbios 31.10-31, Peace diz que dos vinte e dois versículos deste trecho, nove são destinados ao trabalho da mulher no lar. Estes versículos são: Provérbios 31.13, 15-16, 18-19, 21-22, 24 e 27 (PEACE, 2008). Vemos por meio do trecho de Provérbios 31.10-31, que toda esposa precisa ser uma boa dona de casa, cuidando também em trabalhar fora se for necessário. A esposa do pastor então deve ser uma dona de casa exemplar, pois como já dissemos, a família do pastor é sempre vista pelos irmãos da igreja. O lar é o ambiente onde a esposa trabalha, preocupando-se em sempre mantê-lo preparado, principalmente o lar do pastor.

4.5 Trabalho fora

Este é um assunto muito contraditório, pois alguns acreditam que a esposa do pastor pode trabalhar fora, porém outros acham que ela não pode fazê-lo. Precisamos analisar quais as motivações que a levam a trabalhar fora. São motivações corretas ou erradas? Cremos que há casos em que ela realmente precisa trabalhar fora, e o faz em obediência à sua primordial tarefa de auxiliadora do marido. Nestes casos, o trabalho fora deve ser visto com prioridade. A esposa do pastor, entretanto, encontrará muitas críticas ao fazê-lo. A autora Peace não concorda que a esposa possa trabalhar fora, e percebemos esta sua posição porque ela sempre procura encontrar meio de mostrar que a mulher precisa ficar em casa. Quanto à necessidade financeira, ela diz que não é motivo para que a esposa exerça alguma atividade. Quando o marido requer que a esposa trabalhe fora, ela diz que a esposa precisa procurar provar para ele que estará pecando se trabalhar fora. Mas, se ele insistir, precisa obedecer. E, caso o marido fique impossibilitado ou chegue a falecer, a igreja é responsável por cuidar desta mulher, afim de que ela não precise trabalhar fora. Portanto, ela apresenta que a esposa do pastor só poderá trabalhar fora em última instância, pois seu dever é cuidar do lar (PEACE, 2008). Concordamos que a esposa deve procurar sempre ficar em casa, a fim de cuidar das suas tarefas domésticas, mas não que é errado ela trabalhar fora caso necessário. Dusilek tem uma posição diferente da de Peace. Ela diz que há muitas esposas de pastores que estudaram e possuem uma profissão, ou sabem exercer algum tipo de atividade remunerada. Se for necessário, elas podem trabalhar fora, como forma de exercer sua mordomia cristã. Ela diz que quando a esposa tem filhos pequenos precisa pensar muito antes de decidir isto, mas que não há um modelo fechado para isto. Pelo contrário, o casal precisa tomar esta decisão juntos, avaliando os pontos positivos e negativos (DUSILEK, 1996). Gomes também concorda que a mulher pode trabalhar fora, respeitando primeiramente sua condição de esposa. Ela diz que é errado quando alguns crentes pensam que a mulher que trabalha fora para ajudar a família é menos bíblica do que a que fica somente em casa, com suas tarefas domésticas (GOMES, 1978).
Vamos analisar agora as motivações que levam a esposa do pastor a exercer atividade remunerada. Peace trata sobre os motivos errados que levam a mulher a trabalhar fora, são estes: prestígio, desejo por bens materiais ou fuga de suas tarefas no lar. Todas estas são motivações egoístas, e se assim forem, será errado trabalhar fora (PEACE, 2008). Quanto ao desejo por bens materiais, Gomes fala que não é errado buscar o bem da sua família nesta área, mas é errado quando colocamos isto antes das pessoas. Principalmente a esposa do pastor, que precisa priorizar as necessidades de seu marido, auxiliando ele, para que o mesmo desempenhe um bom ministério (GOMES, 1978). Dusilek fala que outro motivo errado para a esposa buscar trabalhar fora, é fugir dos problemas advindos da atividade ministerial (DUSILEK, 1996). Todos estes motivos são errados, porém há muitos casos que levam a esposa do pastor a procurar auxiliar sua família com um trabalho fora, e não deve ser criticada por isso. Se houver necessidade realmente da esposa ajudar no orçamento não encontramos base bíblica que proíba. Pelo contrário, a mulher virtuosa adquiria propriedades, plantava vinhas e fazia roupas para vender (Provérbios 31.16,24). Sendo assim, a mulher pode trabalhar fora.

5      CONSIDERAÇÕES FINAIS


Chegando ao final desta pesquisa monográfica sobre o papel da esposa do pastor, percebemos que muitas indagações foram respondidas, por meio de diretrizes bíblicas. Entendemos também que não é fácil definirmos certas questões sobre o papel da esposa do pastor, quando a Bíblia não define. Buscando esclarecer a respeito do ministério da esposa do pastor, pesquisamos três áreas, foram elas: chamado, papel na igreja e prioridades. Percebemos que a primeira e a terceira áreas definem grande parte da segunda área, ou seja, o que entendemos sobre chamado da esposa do pastor e as prioridades que ela estabelece para si ajudarão definir o seu papel na igreja.
O ministério da esposa do pastor é ser auxiliar do seu marido, assim como qualquer outra mulher. Ela precisa basear seu papel em diretrizes bíblicas e não em posições de uma ou outra pessoa. Seu papel na igreja é o mesmo que encontramos para todos os crentes, mas ela precisa aceitar sua responsabilidade de ajudar seu esposo a ser qualificado para o ministério. Fazendo isso, estará sendo a mulher que Deus quer que ela seja.


REFERÊNCIAS


v  A BÍBLIA ANOTADA. Texto Bíblico: Versão Almeida, Revista e Atualizada, com introdução, esboço, referências laterais e notas por RYRIE, C. C. Tradução de Carlos Oswaldo Cardoso Pinto, - São Paulo: Mundo Cristão, 1994.
v  BARRIENTOS, Alberto. Trabalho Pastoral. Campinas, SP: Cristã Unida, 1991.
v  CHAMPLIN, R.N. O Novo Testamento Interpretado, versículo por versículo. São Paulo: A Voz Bíblica, [s.d.]. v.1.
v  ______. O Novo Testamento Interpretado, versículo por versículo. São Paulo: A Voz Bíblica, [s.d.]. v.4.
v  ______. O Antigo Testamento Interpretado, versículo por versículo. São Paulo: Hagnos, 2001. v.4.
v  CRABTREE, A. R. A Doutrina Bíblica do Ministério. 2. ed. Rio de Janeiro: JUERP, 1981.
v  DOUGLAS, J. D. O Novo Dicionário da Bíblia. 2. ed. São Paulo: Vida Nova, 1995.
v  DUSILEK, N. G. Mulher sem Nome. São Paulo: Vida, 1996. 2ª imp.
v  FARIAS, Wiarlla N. S. Monografia: A Teologia Bíblica Sobre o Papel da Mulher na Igreja. Natal, RN: SIBB, 2007.
v  GOMES, Elizabeth S. C. A Esposa. São Paulo: Refúgio Gráfica e Editora LTDA, 1978.
v  GRUDEM, W. Teologia Sistemática. São Paulo: Vida Nova, 1999.
v  HAAN, Richard, W. D. Como fazer de sua casa um lar. São Paulo: IBR, 1994.
v  HIEBERT, D. E. A Primeira Epístola a Timóteo. São Paulo: EBR, 2000.
v  MORRIS, L. I Coríntios – Introdução e Comentário. São Paulo: Mundo Cristão, 1981.
v  MACARTHUR, J. Jr. Ministério Pastoral. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.
v  KIRK, M. C. Mulher Cristã - Desafio de Hoje. Rio de Janeiro: Publicação da União Feminina Missionária Batista do Brasil, 1981.
v  PEACE, MARTHA. Esposa Excelente. São José dos Campos, SP: Fiel, 2008.
v  SILVA, K. De Pastor a Pastor. São Paulo: 2. ed. Vida, 1997.
v  SILVA, Laucinéia R. Monografia: A Esposa do Pastor. Natal, RN: SIBB, 1990.
v  SPURGEON, C. H. O Chamado para o Ministério. São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas. [s.d.].

11 comentários:

  1. Ser esposa de pastor não é fácil, pois é muito complicado vc ter que viver os problemas dos outros ,uma vez que eu não tenho grandes problemas com o meu marido, tenho vivido tempos dificeis onde estou sendo engolida por caprichos e rebeldia de pessoas que so querem chamar a atenção para si mesmo, e acham que estão certas. Porque eu tenho que suportar as pessoas que não obdecem o seu pastor e ainda traz problemas para minha casa? Estou cansada de viver a vida dos outros ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amada, ministério é assim mesmo! e vida cristã: a BÍBLIA DIZ: LEVAI AS CARGAS UNS DOS OUTROS..... e em uma outra passagem: SUPORTAI-VOS UNS AOS OUTROS.
      Não como esposas de pastor, mas como crentes: precisamos amar as pessoas, mesmo as indesejáveis, pois Cristo as amou e se entregou por elas!!! ser esposa de pastor não é fácil, e mais dificil ainda é ser crente genuína!!!

      Excluir
  2. Por isso que concordamos, Mulher de Pastor não é pastora porque não tem chamado não suporta!

    ResponderExcluir
  3. ETHELIEQRICARDO1@HOTMAIL.COM31 de outubro de 2013 12:23

    PAZ.SEJA CONTIGO! AMADO PASTOR.
    ACHEI DE MUITO VALOR ESTE ASSUNTO, POIS SOU FILHA DE PASTOR E VIVO ESSE ASSUNTO COM PROPRIEDADE.
    ESCREVA ALGO SOBRE OS FILHOS DE PASTORES.

    GOSTARIA DE ME COLOCAR A DISPOSIÇÃO, PARA FAZER PARTE DA PESQUISA DESTE ASSUNTO. JÁ PROCUREI ALGUNS ARTIGOS, MAS OS QUE ACHEI FALAVA SOBRE AS CAUSAS DOS FILHOS DE PASTORES QUE SAÍRAM DA IGREJA.. DIGO QUE A IGREJA (ECLÉSIA), TEM UMA PARCELA DE CULPA, POIS QUEREM SEUS PASTORES 24HS POR DIA.

    ResponderExcluir
  4. acho que ser mulher de pastor e ter chamado sim ,,sabe porque ,,,o pastor e responsável ,sim por muita coisa ,mas nao consegue sozinho,nos mulheres ,precisamos cuidar do marido ,filhos e igreja,,e muitos maridos pastores se esquece que tambem tem que cuidar de esposa ,filhos e igreja ,e que muitas vezes a carga de tudo vem sobre nos,,,pois nuca vi um pastor ir pra frente se sua esposa nao ajudar,,e cansativo sim muito ,,,mas e gratificante pois no meio de muitos DEUS nos escolheu para cuidar de seus filhos,e muito lindo isso ,,AMEM E QUE DEUS SEJE LOUVADO EM NOME DE JESUS

    ResponderExcluir
  5. Eu sou esposa de pastor, trabalho na igreja com louvor, ensino na EBD, ajudo nos cultos, dirijo a consagração, aconselho, mas ainda não prego o evangelho em hospitais e também não me organizei para fazer evangelismo. Como esposa de pastor que somos, neste caso qual deveria ser nosso ofício, missionária ou algum outro? Porque somos obreiras e fazemos a obra com amor.

    ResponderExcluir
  6. Quem escreveu este trabalho será que é esposa de pastor? Texto muito filosófica e fora da realidade. As esposas sofrem assedio e abuso moral e consequentemente se sentem deprimidas, estressadas e culpa por acharem que devam dar conta de tudo. A maioria das esposas de pastores nem tem consciência disso. Tanto desiquilíbrio emocional e nem tem noção do peso que carregam em seus ombros!

    ResponderExcluir
  7. Gostaria de saber se tem como ter acesso a monografia completa. Obrigada. Suerly

    ResponderExcluir
  8. Como desqualificam a mulher cristã! Parecem donos da razão

    ResponderExcluir
  9. Sou esposa do co pastor. Mas mal mal tenho reconhecimento está certo eu ser um
    Zero a esquerda

    ResponderExcluir
  10. Também sou um zero a esquerda fazem tudo escondido de mim sou a última a saber das coisas meu casamento tá indo pro buraco a igreja e as pessoas da igreja tem mais valor para o meu marido do que eu e os nossos filhos sinceramente estou cansada

    ResponderExcluir